28 de jun de 2017

SEM PALAVRAS

aquele
que fui
há tempos
deixei de ser

fui
morrendo
um pouco
a cada dia

foram
me matando

aquele
que fui
há tempos
deixei de ser

hoje mais
calado
quase sem palavras

hoje
mais inerte
reflexivo

deixei
de amar
o amor que sentia

minha vitalidade se dissipou
com o tempo
olho
a vida da minha janela
e não ouso mais
viver

apenas
me lembro de quem
já fui
um dia