12 de nov de 2016

VERONICA SOUZA

tu
és Rio
Rio
das belezas
escondidas
tu
é o brado
forte
das indiferenças
a voz
que não se cala
a beleza
que não se esconde
comigo
aqui
nestas mesmas calçadas
seguimos
tu
és Rio
Rio
que voltará
a ser
porque em ti
eu sei
que tu Riso
jamais
há de morrer