13 de nov de 2016

VERA FAGUNDES

quantas
noites
perdi
embriagado
de amor

quantos
madrugadas
fiquei
namorando
a lua
enquanto
as estrelas
morriam com o clarão
do sol
quantas
melodias
ensaiei
cantar
ao pé do ouvido
e estremeci
pela ansiedade
do amor
que me consumia
quantas horas
ensaiando
declarações
hoje esquecidas
em mim
sigo
olhando
teu vulto
que passou por mim