18 de nov de 2016

SILVIA ROCHA

e na solidão
que me
descubro
me perpetuo
me encontro
me entendo

e na solidão
que me
conheço
desconheço
escrevo
acendo
um cigarro
e deixo
ele queimar
e o tempo
exato
de um pensar
depois
disso
cinzas e o cheiro
do tabaco queimado
e na solidão
deste meu existir
que escrevo
estrela de um céu
sem sol
o copo
está cheio
e para mim sempre vzio
na solidão
me desconheço
me desvirtuo