20 de nov de 2016

CLAUDIA VASQUES

gosto
de rasgar
seda
de tecer
elogios
de levar
ao céus
que me importa
beleza
me importo
mais com essência
me agrada
mais e não me iludi
gosto
de mãos
se encontram
de olhos
que se beijam
em encontros
não existe
em mim
inércia
ficar
estagnado
sem sentir
me mata
ainda prefiro
sempre
os exageros