15 de nov de 2016

CIDA DE SOUZA

o chão
cheios
de folhas
o coração
cheios
de marcas
o corpo
cheio
de dores
a vida
cheia de
graça
cadernos
cheios de
memórias
os olhos
quase sempre
marejados
as mãos
querendo
outras mãos
e o corpo
o mesmo porto