10 de nov de 2016

ADRIANE GARCIA

nunca
fui santo
contei
mentiras
escondi
verdades
corri sem pressa
não espero
empurrões
não gosto de contato
sem razão
nunca
fui
o melhor em nada
olhava
apenas
para o ontem
via cercas
caídas
estradas inacabadas
e pontes
que não podia atravessar
nunca
tive medo de nadar
sempre estendi
a mão
e abri os braços
eu sempre fui
minhas ilusões
meu contos de fadas
minha crônicas
e minhas tantas histórias de terror