24 de out de 2016

O QUE SOU

o que sou
sou
aquele
vaso quebrado

aquele
pedaço
de espelho

aquele
papel amassado

sou os restos
de um pão
mastigado
no dente sujo
e mal escovado

sou o barro
no canto da bota
as fezes
o orvalho
sobre ela

sou música
que não se canta
poema
que não se escreve

sou acaso
descaso
sou tudo
menos poeta

resto de comida
no prato vazio
bagaço

a estria
o incomodo
o pecado

sou a ausência
de mim
a falta de sol
o frio da escuridão

sou tudo
menos
poeta