25 de out de 2016

MAIS NADA

bom
quando
o que é saudade
vira lembrança

e a lembrança viva
aos poucos
se apaga

como fotografia
que vai amarelando
como papel
amassado
num canto

bom
quando a alma
vai crescendo
bom
sentir o desapego

bom
quando não resta
mais nada
e a alma
livre e resignada
pode andar por ai
sem medo

bom
quando tudo o que foi
não é mais nada