24 de out de 2016

INCONSCIENTE

perdi
a consciência

roubaram
de mim

tentaram
que eu morresse

que a vida
cessasse

perdi
as horas
o relógio
a pressa

roubaram
de mim

o amor que sentia
e a vida
que se fazia em poemas
jamais escritos

rasgaram-me
feito
papel
e lançaram-me
no vento
da sorte

eu voei
por ai
sem minha consciência
sem partes da minha inteligência
sem sabem
para onde voltar

eu voltei
para dentro de mim
para minha consciência morta

para dentro de mim