3 de ago de 2016

NÃO ESCREVO MAIS

hoje
não escrevo
mais
o amor

hoje
não tenho
mais vitalidade
e a persistência inútil
de vida

hoje
não mais creio
na natureza
cruel do amor
de quem
não ama

hoje
não mais
leio os romances
que escrevo

não leio poesias

hoje não mais
vivo mais

despedaço