"Se procura prazer, poderá encontrar aqui as suas mais diversas formas. Há quem procure palavras, há quem procure belas imagens, há os curiosos, os que admiram minha maneira de escrever. Uns julgam erótico. Outros julgam ser sensual e uns apenas lêem as palavras aqui escritas. Isso é algo que não cabe a mim julgar. Sei das minhas intenções... Sei do meu amor pela poesia... Sei da minha infinita sede de escrever..."
SEJA BEM VINDO - 9 ANOS DE POESIA! ! !

FÃS DE CARTEIRINHA

25 de mar de 2016

MEUS DESEJOS


todos
os
meus
desejos são inventados
de verdade
quando
te vejo
não sinto nada
apenas
uma revoada

de borboletas
no meu estomago
todos
os meus desejos
fazem
parte
de minha loucura
uma
paranoia
que
criei
para sobreviver
nestes
dias cinzas
eu
preciso
desta fuga
para que sangue
continue correndo
e te quero
em minha cama
de lençois
sujos
te quero por um momento
por um segundo
te quero

no meu mundo
fazes
sem saber
parte
de mim
dos meus desejos
te quero
ainda
que tudo isso
seja
invenção
que
tudo isso seja
loucura

É SÓ TEU CORPO QUE EU QUERO


devo
confessar-te
em silêncio
é só
teu corpo que eu quero
quero
teus seios fartos
tua boca
cor de rosa
teus abraços
quero
beijar
tua barriga
roçar
minha barba
em sua pele
te arranhar
de leve
quero teus pelos
teus lábios
teus coxas suadas
e todo néctar
que delas
escorrerem
devo
confessar-te
que foi
assim
desde que ti vi
desfilando por mim
eu te quis
te quis
rasgar as roupas
e cometer
em ti todos os pecados
te colocar
de lado
de quatro
e te fazer gozar
quero
dedilhar teus poros
beber dos teus lábios quentes
a saliva que escorre
quero
teus gemidos
teus sussurros
quero
só teu corpo
porque é só assim
que te desejo
sem amor
sem apego


13 de mar de 2016

EM VOCÊ

mata
meu desejo
morde
devagar
os lábios
deixa
a língua
solta
caminhar
tranquila
pelo céu da minha boca
vez
faisca
me acende
atiça
me prende
entre
tua pernas
nesta
tua vagina quente
morde
os lábios
chupa
a língua
agarra
e arranha
me faz teu
inteiro teu
arranca
meu gozo
e me faz
teu orgasmo
morde
os lábios
provoca
a pele
lambe
chupa
morde
e me deixa
amolecer
entre tuas pernas
nesta
tua vagina quente

AMAR À TOA

resolvi
por um tempo
ficar longe
de mim
longe
da minha paz
de poesias
longe
dos sentimentos
vivendo
apenas

resolvi
me deixar
guardado
num báu
debaixo
da cama
cheio de pó
e protegido
de mim
e deste meu
coração
aventureiro

arrisquei
ainda assim
voar
por mares
rasos
e mergulhar
em abismos
que eram menores
do que sopros
de instantes

dai
voltei
e achei
tudo pior
mundo sem sentimentos
e pessoas
vazias

chorei

e resolvi
me deixar
guardado
afinal
pra que desperdiçar
tanto
amar à toa

DEPOIS DA TEMPESTADE

enfim
morrem
minhas tempestades
posso
depois
de tudo
ver
o sol
que nunca se foi

enfim
secas
as poças
do meu caminho

posso
voltar
a caminhar
pelas ruas
e alamedas
cinzas
do
meu mundo

enfim
acabam-se os raios
e novos raios
de sol
invadem
meu horizonte
sem mais
perpectivas
apenas
dias

enfim
de novo
volto
devagar
a ser o quem
jamais
voltarei a ser