27 de nov de 2015

AMOR COVARDE


vem
estupida
e beija minha boca
esfrega
tuas coxas
nas minhas coxas
e os seios
nus
em meu peito

amor covarde

vem
toca meu corpo
como
navalha
rasga
minha roupa
morde minha pele
arranha
meu céu
e fingue
que é dama
me joga na sua cama

amor covarde

depois
de tudo vai embora
deixando
o veneno lento
em todo meu corpo