29 de ago de 2015

VEM POESIA


às vezes
espero
de manhã
a poesia
ventar
sobre mim

deixo
que ela
venha
devagar
e sempre pressa

às vezes
ela vem arredia
sonolenta
cheia
de manhas e preguiças

eu
carinho
tua face
abraço
devagar
e aqueço
teus versos

às vezes
a poesia
vem nua
com seus dengos
e malícia

eu
fico
e deixo
que devagar
ela vente
seus versos
sobre mim