30 de ago de 2015

SEM CARÊNCIA

minha carência
secou
a loucura
de mim
foi
se dissipando
a tristeza
arrumou
as malas
e partiu
para ruas
longe de mim

minha carência
de olhos
e abraços
e beijos
e caricias
bateu
asas e partiu

aquele
gosto
ácido
não existe
mais em minha boca
e as nuvens
que flutuavam
sobre mim
foram
em busca de outros
céus

a carência
quebrou
como vaso de cristal
nada restou
só os cacos
de um mal amor