1 de ago de 2015

NÃO SEI BRINCAR

eu não gosto
de brincar
de nada
eu gosto
de olhar
e ouvir
as besteiras
que gritam
os lábios
aturdidos
gosto
das mãos livres
gosto
das desprestensões
do ser
eu não gosto
da balburdia
do dia a dia
do barulho
do caos do mundo
prefiro
meus labirintos
minhas confusões
minha solidão
assim me aceito
assim me oculto
assim me defendo
não gosto de brincar
de nada
só de abraços
só de nós