18 de ago de 2015

LOUCURA INSENSATA

Nada
e nem ninguém
vai me salvar
deste meu
hospício

desta minha
loucura
insensata

nenhuma poesia
nenhuma fé
nenhum amor

nada
e nem ninguém
vão me tirar
deste
meu labirinto
não há
saída para mim
não há salvação

ficarei
nesta minha
loucura
sentado
sozinho
na beira do caminho
com folhas
em branco
com um monte
de canetas
sem tinta

eu
e minha loucura
insensata