23 de ago de 2015

CINZAS



versos
agora
reversos
olhos
turvos
águas
turvas
rio
que não corre
mar
sem amar
falta
sintonia

o descaso
nós
que desataram
versos
sem rima
canções
que destoam
insignificâncias
desprovidas
do amor
que se foi
não somos
mais
quem éramos
nos
perdemos
em meio
a essa guerra
de desiguais
versos
desfeitos
e os papéis
com nossos nomes
cinzas