12 de fev de 2015

VAZIO


quero ficar
com sozinho
com meus medos
com meus monstros
quero
deixar
as janelas
fechadas
as cortinas
como estão
empoeiradas
quero
o azedo na boca
e o fedor
das axilas
quero ficar com minhas
roupas sujas
quero meu corpo
encardido
para que assim
ninguém
chegue perto
de mim
quero ficar
enterrado em mim
enclausurado
quero que a luz
da noite escureça
quero o silêncio
de todas as vozes
que querem saber de mim
não quero nada
água
comida
amores indecentes
quero mentiras
minhas poeiras
meus contra-baixos
quero ficar
com meus vômitos
e minhas carcaças
quero
viver em meio
ao que me pertence
o podre
o eco
e todo este vazio
que me completa