13 de fev de 2015

DESALINHO


a simplicidade
dos
teus tantos gestos
tuas carícias
com a vida
teus enganos
teus tantos
erros
as rosas
abertas
do teu jardim
tuas memórias
os beijos
tuas escórias
mãos que afagam
os sopros
uivos
dos teus lábios
roupas
que voam
pelos escombros
tuas mentiras
teus enganos
lápides
tua simplicidade bela
de efeitos
teus defeitos
escondidos
entre as janelas
da íris
por onde navego
afetos
tristes valsas
do destino
teus desacertos
teu desalinho