31 de jan de 2015

REI




Deste meu
Mundo
Sou rei
Dessas minhas paredes
Esverdeadas
Meus gritos
Ecoam
Por meus labirintos
Ando
Tropeçando
Em mim
Ando desperdiçando
Todas minhas
Moedas
De ouro
Gastando
Meu tempo
À toa
E minha vida
Acabo
Deixando
Em escombros
Este meu mundo
Depois no meu peito
Este sufoco
Das tardes que nunca acabam
E amanhãs que nunca chegam