26 de jan de 2015

QUIETUDE




Não há
Agora
Nada em mim
Nada
A minha volta
Tudo
Está quieto
Todos dormem
Meus pensar
Também
Descansa
E meus olhos
Insistem
Em ficar
Abertos
No papel
Versos
Nos versos
Inversos
De mim
Inverdades
Do meu existir
Não há
Nada agora
Em mim
Apenas a falta de sono
E um gole de café amargo na boca