24 de jan de 2015

PELE ASSANHADA




Sinto
No vento
O teu perfume
Imagino
Teu doce
Beijo
Tua pele
Assanhada
Num arrepio
Que também
Me atiça
Sinto
No vento
O teu prazer
Prazer
Que me percorre
A alma
Ouço
Tuas palavras
Teus gemidos
Sinto
Em mim
O que invento
Estas sensações
De acasos
Essas profanações
Do meu pensar