26 de jan de 2015

OH POESIA





Eu
Te escrevo
Oh loucura
De meus instantes
Te escrevo
Minha deusa
De dedos
Longos
E majestosos
Seios nus
Eu
Te escrevo
Oh poesia
Tão sem sentido
Que escorre
Pelo sangue
De minhas veias
Não sei
O que quanto
De ti há mim
E o quanto
De poesia
Há no vento
Que te carrega
Talvez sejamos
A mistura do fel amargo de nossas bocas
Ou apenas a loucura de todos os instantes