30 de jan de 2015

DIAS CINZAS




Dias
Cinzas
E as cinzas
Voam
Na quimera
De
Teus lábios
Cinzas
Tardes
Agora
Frias
E nos
Parques
Gangorras
Vazias
Crianças
Nos colos
Das mães
Noites
Claras
De cinzas
Que se apagaram
No cinzeiro
Do quarto
Quantos cigarros
Quantas patifarias
Quantas cinzas de tuas poesias