30 de jan de 2015

DESABAFOS VAZIOS




Quantos
Desabafos
Vazios
Quanta carência
Quanta falta de luz
Meus olhos
Passam
Pelas palavras
Que desfilam
Em alegorias
Gritos
Ocos
Ecos
Quantas necessidades
De nadas
Sem efeitos
Quanto
Se diz
Quando não há
Nada para se dizer
E os olhos
Não os meus
Veem o que meus olhos
Já cansaram de ver
Quanta energia
Desnecessária
E o amor vagando pelas ruínas