4 de jan de 2015

BANCO DA PRAÇA

eu vou
ficar sentado
num banco
de uma praça
olhando
as poesias
passarem
por mim
eu vou
ficar sentando
sentindo
a vida
soprar meus cabelos
não vou pensar
em nada
vou ficar
olhando
as pedras
jogadas
e as flores
soltando
no ar seu perfume
de encantos
vou
rabiscar
poemas
na terra vermelha
e gravar
teu nome
na raiz profunda
de uma cerejeira
vou sentar
e ficar ali
esperando a noite
chegar
para me levar embora
para outro lugar qualquer
de mim