28 de jan de 2015

ABISMOS




Sou um ser feito
De imensuráveis carências...
São elas que me mantém
Alertas daquilo que não posso...
Não há mais em mim,
Nenhum espaço a ser preenchido...
Sou cheio de tudo...
Cheio de amores
Cheio de versos
Cheio de inverdades
Já não preciso
Me arriscar
Em jogos
Em abismos
Não creio
Mais
Em amores
Em sorrisos
Sou um ser descrente
Em romances
Em novelas
E amores
Sem contratos
A lua já não me encanta
As noites já deixaram
De me seduzir
Sou o avesso de mim