24 de out de 2014

SOMBRAS

sombra
minha poesia
agora é eco
sem voz
sombra
numa noite
sem lua
minha poesia
agora
é grito
entalado na garganta seca
é papel
em branco
é sujeira
que vicia
sombra
minha poesia
é sem sentido
é sem amor
sem paixão
é algo apenas
em mim
calada
solitária
por num caminho
diferente do meu
minha poesia
agora
é soluço
é saudade
lembrança
do que fui