9 de abr de 2014

SEMPRE ASSIM


Depois
Do remanso
Do descanso
Sereno
Da alma
O grito
No silêncio
Depois
Das tardes
De frio
Das noites
Quietas
A inquietude
Incertezas
Que rodam
Batem a porta
Sobram
Ventos
Que não sopravam
Mais
Depois
Do perfume
O fel
Do mel
O azedo
Todas as dúvidas
E incertezas
Depois
De tudo
De calado
Mudo
Incertezas
De tudo
O que o amanhã
Pode
De novo
Trazer