1 de abr de 2014

PRECISO

nunca fui
passional
nunca fui
de sentar
o rabo na cadeira
e lamentar
nunca precisei
de razões
ou de adjetivos
sempre
fui explosão
incoerência
estupidez
nunca fui de ficar
quieto
entre lamentações
e tropeços
sempre fui
dinamite
furacão
meu sangue
ferve
não é frio
ralo
meu sangue
não é aguado
nunca tive medo
nunca fui covarde
agora
me levanto
depois de tantos tombos
e empurrões que me deram
enfim
volto consciente
para minhas guerras
vestidos agora
de paciência
sem escudo
sem armas
apenas
certezas
e vontades
nunca fui
e nunca serei passional
diante
de uma vida
que é minha