29 de mar de 2014

CRIO

crio
meus desertos
minha solidão
crio
minhas chuvas
minhas tempestades
vivo
no meu labirinto
nas minhas ilhas
longe
daqueles que tentam
me ver
e não conseguem
daqueles
que tentam
me entender
e me perdem
daqueles
que querem
ser
partes de tudo
crio
histórias
que adoçam
temporais
entre
uma xícara
de café  e um cigarro
entre uma noite
de amor
e um dia
de transtorno
crio
saídas
que não levam a lugar algum
crio
minhas asas
e algo que me faça voar
dentro da minha gaiola
dentro do meu mundo.