16 de jun de 2013

PARADOXOS

teu
gosto
tão doce amargo
tuas
palavras
entre
tua fé e teu pecado
paradoxos
diferentes
o que dizes sentir
e o que sentes
teu olhos
negros
sem luz
são a luz
de uma escuridão
poço
sem fim
caminho
sem volta
verdade
e mentira
amor
e ódio
benevolência
e maldade
ainda
sinto
por ai
nas esquinas
por onde passo
meu sonho
e
tua realidade
tantas mentiras
tantas verdades