16 de jun de 2013

COERÊNCIA




o que hei
de pensar
entre
o que dizes
entre
o que sentes
e o que pensas
há apenas
confusão
turbulência
falta
de razão
nenhuma coerência
um amor
de palavras
tantos sentimentos
sem emoção
tantos versos
sem canção
e o que hei
de pensar
se teu coração
se finge calado
se finge morto
despedaçado
o que hei
de sentir
se não sentes
nada
falta amor
sentimentos
falta razão
sensação
torpor
encantamento
verdades
e só um pouco
o mínimo
de coerência
entre o que dizes
entre o que sentes

PARADOXOS

teu
gosto
tão doce amargo
tuas
palavras
entre
tua fé e teu pecado
paradoxos
diferentes
o que dizes sentir
e o que sentes
teu olhos
negros
sem luz
são a luz
de uma escuridão
poço
sem fim
caminho
sem volta
verdade
e mentira
amor
e ódio
benevolência
e maldade
ainda
sinto
por ai
nas esquinas
por onde passo
meu sonho
e
tua realidade
tantas mentiras
tantas verdades

1 de jun de 2013

AINDA HÁ VOCÊ

Há um vazio enorme.
Há um vento frio. Um silêncio.
Murmúrios em meus ouvidos.
Noites intensas. Horas...
Há uma presença que me segue...
Há sentimentos ainda vivos em mim.
Palavras ainda ecoando.
Uma dor que não passa.
Vontade.
Medo.
Angústia.
Braços frios.
Corpo gelado.
Pensamentos.
Há você ainda.
Como sempre.
Há espaços. Passos.
Há algo que sangra.
Lembranças que chamam.
Chamas.
Fagulhas que não querem se apagar.
Há você ainda.
Em tudo.
Há tristeza.
Mágoa.
Paredes frias.
Há rascunhos não lidos.
Palavras não ditas.
Palavras ditas em exageros.
Inverdades.
Há o antes.
O agora
E não sei mais
Se ainda haverá
O amanhã.
Noites frias.
Lágrimas.
Espaços vazios.
Ainda há um sentimento gritando,
Implorando...
Há sussurros.
Desejos
De saber
De sentir
De seguir teus passos.
Há uma loucura contida.
Há teu nome.
Ainda há você.
Tantos porquês.
Ainda há você.