9 de abr de 2013

MAIS NADA

mais
nada sobre mim
nem quem fui
nem quem sou
como estou
mais nada
agora
em mim
se faz o silêncio
deixo em mim
guardado
tudo o que sei
tudo
o que sinto
sou túmulo
mais
nada direi
sem sentido
sem razão
nem porque
não digo mais
se estou feliz
triste
também não choro mais
minhas indecências
nada mais
sobre nada
do que é meu
estou mudo
calado
fechado
nos meus labirintos
nos meus calabouços