9 de abr de 2013

FIM DA ESTRADA

o
o fim
da minha estrada
eu sei
só não sei
quando
sei onde
sozinho
deitado
sobre
o corpo cansado
fatigado
exausto
de tanto querer
de tanto sofrer
de tanto amar
o fim
da minha estrada
eu sei
como
só não sei quando
chorando
uma dor
que é só minha
lembrando
tudo
o que vivi
e tudo
o que eu amei
e quantas e quantas
e tantas vezes errei
e depois
jogado
ao meu próprio
destino
morrendo
sozinho
cheio
de marcas
cheio
de nada
vazio
perdido
sozinho
no fim da minha estrada