29 de abr de 2013

SIMPLICIDADE



era tudo simples
demais
algumas coisas
improvisidas
mas há
algo
que não há em lugar
algum
lugar algum
que eu conheça
amor
paz
verdades
agora sei
entendi
o porque de tudo
para eu reconhecer
o amor
que sempre tive
e por Deus não perdi
era um castelo
disfarçado
onde vivia
uma rainha
a mais bela de todas
uma princesa
cheia de vida
e a mais linda boneca
de um reino
cheio de coisas boas
era tudo simples
era tudo o que eu precisava
o amor que eu já tinha

DESABAFO

eu te dei
todo o amor
que eu podia
te amei
demais
de um jeito
que nunca ninguém
te amou
me despi
me entreguei
lutei
quantas vezes chorei
mudei
deixei de ser quem eu era
pra te cuidar
pra te amar do jeito
que sempre quis
e o que fez
abusou
ignorou
todo sentimento
me fez de bobo
me fez de tolo
me usou
desprezou
tudo o que eu fiz
não disse nada
não veio atrás
falou
que amava
e agora sei
que não amava
e que nunca amou
ninguém
agora entendi
aprendi
você não sabe o que é amor

22 de abr de 2013

IMAGENS

agora
não há nada
só imagens
que não refletem
o que penso
o que sinto
o teto
se move devagar
o chão
se abre
mergulho nos delírios
que gritam
agora
não sou nada
não sinto
nada
estou aqui
parado
montando
neste corpo
que deixou de ser meu
esse imagens
jogadas
no chão
aberto
do meu quarto
busco
lembranças
e esperanças vazias

NOITES

minhas noites
ainda como sempre
solitárias
não sei
quanto tempo
me sinto assim
voando
e me vendo fora
de mim
minhas noites
são cheias
de nada
sonhos
sem sentidos
pesadelos
cama fria
sentimentos frios
nada
apenas pensamentos
desejos
algumas fantasias
que me distraem
que me enlouquecem
que me fazem dormir
até o sol
cegar meus olhos


19 de abr de 2013

EU PRECISO DE ALGUÉM

eu preciso
de alguém que precise
de verdade
de mim
alguém que me transborde
que me encha
de prazer
preciso de alguém
que me procure
alguém que não tenha pressa
que não conte as horas
eu preciso
mais que uma amante
preciso
de uma cúmplice
preciso
de uma amiga
preciso de sinceridade
de verdades
não preciso
nem de dó
nem de piedade
preciso
de sentimentos
de peito aberto
de coração cheio
de amor
amor
sincero
eu preciso de alguém
que saiba
o que é saudades
que saiba
o que é amor
e se não souber
que queira aprender
a amar

COM VOCÊ

com você
aprendi que não sei
o que é saudades
e nem o
que é amor
aprendi
que não existe
amor autruísta
aprendi
que homem não chora
aprendi
que não é importante
estar junto
o tempo todo
que romantismo
está fora de moda
aprendi
que não deve
implorar
um carinho
nem esmolar
um pouco de atenção
com você
aprendi
que o eu
é sempre mais
importante
aprendi
que não sabia nada
de mim
nem do amor
e nem da saudades
que um dia pensei
sentir

9 de abr de 2013

CASTIGO

como
pode ter tanta
certeza
talvez
eu não vá
nem volte
nem chame
nem ligue
talvez
não queria mais
lembrar
querer
amar
como
pode ter tanta
certeza
talvez
eu fique
me cale
não fale
de coloque
de castigo
te faça sentir
o que não sente
quem sabe
eu decida
ir
decida
sumir
desaparecer
neste meu mundo
de ilusões
como
pode ter tanta
certeza
se amanhã
nem o sol
sabe
se vai ou nascer
nascer
em nossos horizontes

O QUE SERÁ DE MIM

o que será de mim
aprisionado
neste amor
já não sei mais
se sei amar
se quero amar
antes
tudo era sonho
conto de fada
agora
estou aqui
parado
nesta estrada
olhando
as flores
plantei
e que arranquei
e deixei raiz
o que será de mim
se o sol
amanhã
não nascer
e voltar a chover
não sei
o que faço
com este amor
que eu tanto quis
tanto busquei
e esperei
e tentei
o que será de mim
se amanhã
acordar
sem ninguém

MAIS NADA

mais
nada sobre mim
nem quem fui
nem quem sou
como estou
mais nada
agora
em mim
se faz o silêncio
deixo em mim
guardado
tudo o que sei
tudo
o que sinto
sou túmulo
mais
nada direi
sem sentido
sem razão
nem porque
não digo mais
se estou feliz
triste
também não choro mais
minhas indecências
nada mais
sobre nada
do que é meu
estou mudo
calado
fechado
nos meus labirintos
nos meus calabouços

FIM DA ESTRADA

o
o fim
da minha estrada
eu sei
só não sei
quando
sei onde
sozinho
deitado
sobre
o corpo cansado
fatigado
exausto
de tanto querer
de tanto sofrer
de tanto amar
o fim
da minha estrada
eu sei
como
só não sei quando
chorando
uma dor
que é só minha
lembrando
tudo
o que vivi
e tudo
o que eu amei
e quantas e quantas
e tantas vezes errei
e depois
jogado
ao meu próprio
destino
morrendo
sozinho
cheio
de marcas
cheio
de nada
vazio
perdido
sozinho
no fim da minha estrada

PASSADO

sou
meu passado
minhas lembranças
meus pecados
sou
minha consciência
meus cacos
jogados
varridos
para debaixo
do tapete
sou
o meu melhor
e o meu pior
o escarro
a boca que não se beija
queima
sou a pressão
a depressão
o tormento
sou minha loucura
minhas bobagens
os livros que não leio
sou rascunho
sou lápis
meus caos
minha solidão

SOMBRAS DE QUEM FUI

fico
parado
no tempo
de frente para o espelho
não sou
eu
ali refletido
nem sombras do que fui
nada
me lembra eu
minha cara
meu não sorriso
meus olhos caídos
fico
parado
no tempo
querendo entender
o porque
de tudo
sem perguntar
porque no fundo
sei
qualquer resposta
não sou eu
ali refletido
nem sombras
do meu eu eu
do eu
que já fui um dia
e que em algum dia
morreu

8 de abr de 2013

TARDE QUE MORRE

tarde
que morre
na minha janela
eu aqui
nesta espera
contando
cada segundo
pra te olhar de novo
tarde
que vai embora
sem pressa
olho tudo
dessa minha janela
que nem minha é
fico
olhando
os carros
que passam apressados
querendo
chegar
em qualquer lugar
e eu
aqui
na ânsia louca
olhando
a tarde que morre
a noite
que chega
pra enterrar
a angústia
dessa espera

ESPERA

essa espera
maldita
nem um sinal
de vida
nada
 eu aqui
me consumindo
de tanto
pensar
em nada
essa espera
vazia
de angústias
essa tarde
morta
na janela
esse vento
que não sopra
essa loucura
essa espera
incapaz
de me tirar
de onde estou
incapaz
de curar
minha dor
incapaz de perceber
e sentir
todo esse amor
que nunca amou
e essa espera
essa tortura
essa tarde
morta na janela

EXÍLIO

sou
minhas tempestades
meus raios
meus trovões
sou meu exílio
minha ilha
meus pecados
minha perdição
ninguém além
de Deus
me conhece
como eu
o que sinto
o que penso
o que sinto
sou
minhas emoções
minha tristeza
as curvas
do meu caminho
minhas pedras
meus martírios
sou
minhas loucuras
minhas profanações
toda minha insensatez
sou minha ilha
meu refúgio
o mar
que me leva

ACHO

acho
que não sei mais escrever
só sei sentir
acho que não sei 
mais amar
e mesmo assim
acho que amo
acho que vivo
acho que sinto
pareço
enfim
descobrir
neste tempo
tudo de mim
ou nada
parece que de novo
estou na mesma
estrada
que nunca estive
parece que há
pegadas
que não são minhas
não sei
de quem são
acho
que não sei mais nada
nenhum verbo
passado
nenhuma equação
matemática
acho que sou
o rascunho
que nunca quis ser
acho que te tanto amar
esqueci
de sentir
todo o amor que havia

EM PEDAÇOS

não sou daqui
sou de lá
dos sonhos
que há em mim
feito
em pedaços
espalhados
despedaçados
não sou daqui
sou de lugar algum
sou das esquinas
fétidas
sou dos becos
escuros
sou a luz
que não clareia
imensidão
que não se vê
não sou daqui
sou de um amanhã
que não nasceu
morreu
sou das tardes
de outono
das noites
de inferno
em pedaços
despedaçados
sou a culpa
e o culpado

SENSAÇÕES

não sei mais
quem eu sou
sei quem fui
para onde fui
por onde andei
por onde ando hoje
juro que não sei
qualquer caminho
me serve
feito luva
não sei mais
quais são
minhas sensações
minhas ânsias
meu paladar
sinto-me preso
em mim
ancorado
num porto vazio
não sei mais nada
de mim
nem meu nome
nem meu endereço
nem quem sou
sem lágrimas
feito de histórias
tantas
e nem sei
se escritas
ou faladas
cuspidas
ou histórias
levadas ao vento
sensações
agora perdidas
esquecidas
na memória de quem fui

NAS NOITES

nas minhas noites
quando penso
te esquecer
sinto na pele
o perfume teu
e sozinho ali
enlouqueço
extremeço
e te busco
em todo meu eu
cada pedaço teu
nas minhas noites
solitárias noites
sinto na roupa
perfume teu
parece tua boca
teus lábios
sussurando
meus ouvidos
pecados
e te busco
e não te acho
e enlouqueço
e me desfaço
adormeço no cansaço
sentindo ainda
embriagado
o perfume teu
da pele tua
nas minhas noites
solitárias noites
de amargura

2 de abr de 2013

SEM VOCÊ

sem você
o dia fica longo
as horas
viram meses
e a solidão
ecoa
por todos os lados
sem você
a tarde
é noite
e o sol
se esconde
atrás
do que não vejo
e eu não vejo nada
sem você...
sem você
a água
não mata a sede
não há fome
nem pressa
apenas
o vazio
e o silêncio
e a saudade
que vem feito tormenta
sem você
busco
tudo que me lembra
você
e tudo lembra
você
ainda mais
cada vez mais
e sempre
sem você
tento viver
tento querer
tento...

E SE EU CHORAR

e se eu chorar
me deixe
ali
quieto
no canto meu
para que minhas lágrimas
possam
secar
sem dor
ainda maior
seu eu chorar
fique do meu lado
mas não diga
nada
respeite
minha dor
me deixe
chorar
e gritar
se preciso for
sei que vai passar
toda essa tristeza
que hoje
invade
meu ser
e se eu chorar
abrace meu corpo
e me deixa
até que as lágrimas
sequem
e morram
no chão

1 de abr de 2013

TRISTEZA


que essa tristeza
acabe
assim
que chegar
um novo dia
que
o amanhã
traga
novas cores
novas razões
novas sensações
que essa tristeza
seja
carregada
pelos ventos
da madrugada
e o um novo
vento
sopre assim
que raiar
um novo dia
que este novo dia
venha
suave
sereno
cheio de boas esperanças
que traga um amor
renovado
liberto
de tudo
que essa tristeza
acabe
antes
que crie raiz
e encubra
todos os mais belos sentimentos

E O QUE ERA


e o que era
agora não é mais
devagar
o destino
ainda desconhecido
vai moldando
sem perguntar
nada
o amanhã
não há o que se fazer
a não ser
se deixar levar
e o que era
agora
fica em meio
a tudo
o que passou
e o amor
machucado
sofrido
sentido
fica sem saber
onde se agarrar
e o que antes era
lindo
agora fica sem cor
perturbado
confuso
sem saber
o que fazer
e o que era festa
está virando
aos poucos
lembranças
esquecidas...