19 de dez de 2012

TEMPO

Ando sem tempo
De viver
Vivo
Sem saber
Sem sentir o que vivi
Acordo
E nem respiro
Muito menos
Me espreguiço
E corro
E voou
E apressado
Vivo
Sem saber
Que vivo
A única vida
Que me resta
Ando sem tempo
Querendo amar
Todo o amor
Que me resta
Todo o amor
Que grita
Todo o amor
Que transborda do meu peito
Todo amor
Que derrama
Como leiteira
O leite frio que agora é quente
E se perde
Para nunca mais
Ando sem tempo
De viver toda vida
Que já não há em mim...