11 de set de 2012

MEU FIM

Vejo meu fim
Assim
Sozinho
Chorando
Sem ninguém
Do meu lado
Talvez
Eu beba
Até cair
Ou ande no parapeito
Da minha vida
Ou me encharque de gasolina
Ou morra
Afogado
Em minhas próprias
Lágrimas
Vejo meu fim
Sentado
Olhando a janela
De uma manicômio
Ou de uma cela
Ou de um abismo
Sozinho
Sem ninguém
Porque sei que sou
Extramente desprezível
Sou extramente vil
E mereço
Acabar assim
Num vale de lágrimas
Encharcado de gasolina
Bêbado
Para depois andar
No parapeito
Da minha vida