8 de nov de 2011

IMORTALIDADE

morrei
um dia
qualquer
num
sábado
de outono
numa tarde
sem sol
cheia de vento
num ano
que não sei
dizer quando
estarei velho
acamado
chinelo
no chão
cabelo penteado
minha filha
ainda que triste
sorrirá
minha mulher
como sempre
foi
bela
com tuas mãos
em meu peito
chorando
ainda assim
sorrirá
minha neta
flor mais bela
sem saber
o que dizer
estará perto
de mim
com os lírios
que sempre amei
e os meus livros
nas mãos
declamará
alguns versos meus
e mesmo
em lágrimas
sorrirá
e eu enfim
em paz
seguirei