6 de nov de 2011

GANGORRAS

que vida
importa
não mais
a sua
a minha
minhas vidraças
minhas gangorras
minhas balanças
que vida
me basta
além da minha
além dos
meus temporais
das chuvas
secas
sobre mim
que me importa
tanta infelicidade
alheia
que me importa
por onde
seguem
outros passos
além dos meus
sei onde
estão minhas
gangorras
onde estão meus
balanços
onde fica meu parque
de diversão