16 de nov de 2011

NÓ NA GARGANTA

daqui
a pouco
eu volto
a estrada
parece
nunca ter fim
ando
e sempre
volto
e paro
e sempre
ando
de novo
e volto
para o mesmo
de onde vim
daqui
a pouco
não haverá
mais espaço
para mim
nem para
as minhas lutas
já não haverá
mais
porque brigar
já não
haverá
tantas razões
daqui
a pouco
poderei
fechar os olhos
e dormir
sem esse nó
em minha garganta