1 de out de 2011

PENSO

penso
nas crianças
que nascem
penso
na felicidade
instantâneas
dos pais
dos avôs
penso
no depois
de tudo
me pergunto
para onde foi
o amor
que sentiam
penso
nesse amor
que passa
penso
no querer
exaustivo
penso na conquista
e no depois
de tudo
quando não há
mais entusiasmo
não mais querer
nem boa vontade
tudo vira peso
tudo é sacríficio
seria melhor
que não fosse assim
que o bem querer
fosse eterno
que os pais
amassem
seus filhos
como na concepção
penso
no que foi
e no que será
no ontem
e no amanhã
que será
igual
aos todos ontem
de sempre