23 de out de 2011

NÃO ESPERO MAIS

não espero mais
que me sigam
nem que gostem de mim
não espero aplausos
nem que percam
tempo
ouvindo o que não tenho
para dizer
não digo
escrevo
deixo meu coração
em luto
e luto contra mim
quando o desespero
me bate
quando as palavras
chegam a salivar
em minha boca
e me calo
não espero mais
que leiam
os versos
que escrevo
não sou poeta
nunca fui
meus versos não têm rima
meus versos
não dizem nada
eu não falo nada
não espero mais
sigo em paz
até o fim dos meus dias
escrevo
meu silêncio
nos pedaços de papéis
manchados de sangue
de lágrimas