23 de out de 2011

LIBERTEI-ME

escrevendo
liberto-me
de todo mal
escrevendo
viajo
para onde nunca fui
para mim
não há culpa
nem culpado
escrevendo
crio asas
vôo
nos pedaços
brancos de papel
dou vida
a tudo o que sinto
escrevendo
vou além
de mim
não há ódio
apenas amor
às vezes algumas mágoas
queimadas
e levadas pelo vento
escrevendo
liberto-me
confesso minhas vaidades
meus crimes
meus pecados
desnudo-me
entrego-me
viro alvo
para mim a tinta
e um pedaço de papel