23 de out de 2011

BRINQUEDO

não sou
e nunca fui
brinquedo
nem de pilhas
nem de cordas
tenho vida
penso
sei agir
falar
e pensar
não sigo rumos
às vezes ignoro
leis que não deveria
ignorar
nunca fui fantoche
nunca me escondi
atrás
de armários
e portas
sempre fui de verdade
sempre tive sangue quente
olhos abertos
e mãos quase sempre
suadas
nunca fui
brinquedo
comportado
sempre fui rebelde
sempre fui
o que nunca quiseram
que eu fosse