12 de ago de 2011

SOBREVIVO

sobrevivo
ainda
que despedaçado
aos instantes
de temporais
sobrevivo
ainda
a tudo
aquilo que foi
dito
mesmo
machucado
e ferido
deixo
a última gota
de sangue
escorrer
para fora de mim
deixo
o sangue
secar
para que nada sobre
sobrevivo
as tuas
incoerência
e esqueço cada dia
um pouco
de cada vez
que me deixei
levar
pelos demônios
que conheço bem
sobrevivo
todos os dias
vivendo
nos inferno de mim
mesmo