1 de ago de 2011

NINGUÉM SABE

ninguém
sabe
o que eu sinto
nem
o que vejo
nem o que sei
ninguém
sabe
dos meus martírios
e da minha
dor
ninguém
sabe
por onde
andei
e nem o que
eu já vi
e já fiz
ninguém sabe
da minha
vida
e das cicatrizes
deixadas
ninguém sabe
o que
há em meus dias
em meu coração
ninguém
sabe
das ausências
e do querer
e quantas
vezes
no silêncio
de mim
quis morrer