22 de ago de 2011

AS MENTIRAS QUE CARREGAMOS

derrepente
nossas verdades
estão partindo
derrepente
percebemos
nossas mentiras
rasgadas
e jogadas
e no lixo
derrepente
entendemos
que nossa
vida
não é mais
uma só
que nos dividimos
nos perdemos
nos afastamos
somos neste ninho
dois estranhos
e as mentiras
que carregamos
pesaram
e nossas mãos
cansadas
de nossas mãos
se perderam
nossos olhos
já não se viam mais
e o que sentimos
enfim
morreu
e nossas verdades
agora
de malas prontas