15 de ago de 2011

AINDA

tuas
palavras
ainda
ecoam
sei
que um dia
deixaram
de ecoar
saberei
enfim
que se foi
de vez
e nada de ti
ficastes
em mim
ainda
dói
as feridas
abertas
os vermes
malditos
da tua boca
ainda me comem
ainda tenho
as feridas
expostas
ainda
sangro
o pouco sangue
que restou
em meu corpo
e aos poucos
morro
e morrendo
eu
não haverá em mim
nada de ti